top of page
Buscar
  • sohmaesalq

ESTABILIDADE DE AGREGADOS

Uma das formas de avaliar indiretamente a estrutura do solo em laboratório, é através da estabilidade dos agregados.

Mudanças na estabilidade do agregado podem servir como indicadores iniciais de recuperação ou degradação dos solos.

Geralmente, as partículas em pequenos agregados (<0,250 mm) são ligadas por formas mais antigas e estáveis de matéria orgânica.

A decomposição microbiana de matéria orgânica fresca libera produtos que ligam pequenos agregados em grandes agregados (> 2 mm).

Esses grandes agregados são mais sensíveis aos efeitos do manejo sobre a matéria orgânica, servindo como um melhor indicador das mudanças na qualidade do solo.

Nos solos, a presença de agregados grandes e estáveis (macroagregados), condicionam a ocorrência de poros grandes, nos quais, o fluxo da água e do ar ocorre livremente e as raízes das plantas conseguem crescer sem impedimento.

Solos com alta estabilidade estrutural são mais resistentes a erosão!

Existem diversos métodos que avaliam a estabilidade de agregados, via úmida ou via seca e que exploram um ou mais mecanismos de rompimento de agregados.

Os métodos via úmida, sugerem o quão bem o solo pode resistir ao impacto da gota de chuva e à erosão hídrica. Um dos métodos mais utilizados é a Tamisação via úmida.

Este método se baseia em um processo de peneiramento de uma amostra de agregados disposta em um jogo de peneiras de malhas com aberturas decrescentes, sendo a operação realizada com embaixo d’água.

A partir do peso de solo retido em cada peneira (correspondente a uma classe de tamanho de agregado), calculam-se índices de agregação, como diâmetro médio ponderado (DMP) ou diâmetro médio geométrico (DMG).



Artigo metodologia:

ELLIOTT, E. T. Aggregate Structure and Carbon, Nitrogen, and Phosphorus in Native and Cultivated Soils. Soil Microbiology and Biochemistry, v. 50, p. 627–633, 1986.


518 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page